Sutilezas V


sky-404060_960_720

Carrego a lembrança dos trovões, das janelas da minha infância. O prisma das enormes lamparinas à chuva. Em mim, as mesmas cores púberes, dos faróis que me orientavam na caminhada. A noite vaporiza meu rosto ainda e cada canto da minha energia e das minhas intenções. Sofro da síndrome da pele eriçada todas as manhãs.
É que tem tanta energia aqui dentro que lá fora tudo é possível nessa coisa do viver.
Reconheço, naturalmente, que já não chove mais tanto e tão bonito e; quando chove, nem sempre faz maravilhar meu rosto tanto quanto ainda, mas para o meu conforto, ainda vejo n’outros mestres, o brilho da possibilidade de alimentar este espírito em mim, e sigo catando e contando estrelas e uso da experiência dos bons conselheiros para me reinventar. Ofereço novas possibilidades para as mesmas asas.
É que gosto do gosto deste céu e do sabor desta mesma sorte.
Senhoras e senhores, peço-vos licença para me apresentar: eu sou a poesia.

 

Desdém


magic-1285540_960_720

saía sem qualquer arranhão
de tantas malfadadas pragas
que acreditava não terem sido
arquitetadas, de coração

bruxarias que cruzavam
a minha caminhada
tão espaçadas que
não enxergava a pretensão

amargas frutas
[das que mais gosto]
que bem provadas
me alimentavam
deixando são

e o corpo exposto
e pronto pr’outras
e as bruxas vinham
tirar quinhão

Lei e Ordem x Barbárie


Sobre todas as coisas que conhecemos bem, ( e também sobre as que permeiam o nosso imaginário: metafísicas, transcendentais … ) pesam as mãos doutas e trêmulas dos especialistas, sobre o que é razoável , certo ou errado .
Sem o senso de normalidade, minimamente relacionado sobre toda e qualquer coisa deste mundo ( ou d’outros mundos ), abre-se ( julga-se ), o limbo da ignorância sob os nossos pés e acima dos nossos halos.
……………………………………………………
Aceitar que as leis, normas, e as mais variegadas regrinhas devam ser os pilares da caminhada humana, é no mínimo “sitiar” o pensamento, entrar n’uma caixinha. Tertúlia para bovino dormitar!
Viemos do pó, de Adão para Eva ( quiçá ), os investimentos no social, não devem comprometer as leis de responsabilidade fiscal ( quiçá ) e determinada característica ou fenotipo ou cromossomos a mais ou a menos, preferências: religiosa, sexual, partidária e qualquer diferença até no campo das idéias, não devem se apresentar antes da pessoa a ser apresentada  ( quiçá ).
……………………………………………………
De um modo geral não dá para se esperar muita coisa das virtudes humanas no mundo capitalista. Longe de mim a idéia de parecer subversivo sobre este ou aquele regime de governança, é apenas questão de observação, muito do particular.
Somos estimulados diuturnamente a acreditar que nos tornaremos seres melhores se trocarmos o carro velho por um zero km; se conquistarmos melhores condições de moradia, um bem cortado paletó e claro, um portentoso currículo acadêmico ( mesmo que as pesquisas cientifiquem que nesse “universo superior”, boa parte dos formados , sequer são plenamente alfabetizados ).
Isso é deveras preocupante!
……………………………………………………
Ouço com relativa frequência, que quando se viaja para o interior de quaisquer lugares, as “pessoas de lá”, são especialmente amáveis, tratam os visitantes como se os conhecessem da infância. E é aí que que reside a minha desconfiança: não se trata de infantilização, mas de humanização; humus, terra, gente.
Aprendamos com as crianças os princípios básicos da vida e nos preocupenos mais, com os “be-a-bás”, ponhamos doçura nas nossas idéias, e descartemos o supérfluo e acredito que assim, a verdade nos será revelada.
Em tempo: podemos ainda, aceitar as orientações dos especialistas e continuarmos a caminhada reta no sentido da evolução, quiçá!

10410311_1593654247535836_242093000140156070_n